A prática do sequestro no Brasil

O crime de sequestro é uma das práticas criminosas mais temidas. Seu modus operandi consiste em manter a vítima em cárcere privado para obter valores ou informações privilegiadas. Este tipo de crime começou a ser praticado no Brasil por grupos guerrilheiros durante a ditadura militar e, posteriormente, passou a ser praticado por grupos criminosos.

A princípio as vítimas de sequestro eram pessoas de alto poder aquisitivo, moradores de áreas nobres, cujos sequestradores pediam quantias exorbitantes para libertar o refém, mas, aos poucos, esse perfil foi mudando.

Os criminosos passaram a atacar gerentes de bancos ou de empresas de valores para, em troca de ameaça, ter acesso ao cofre das empresas. Outra modalidade cada vez mais comum é o sequestro relâmpago, no qual a vítima é coagida a ir a um banco para entregar dinheiro ao sequestrador.

Embora os criminosos estejam cada vez mais ousados, pesquisas mostram que cerca de 90% dos casos de sequestros podem ser evitados com medidas preventivas. De acordo com o grau de risco e a condição financeira da pessoa, as soluções vão desde pequenos equipamentos de segurança eletrônica até esquemas planejados de antissequestro.

Em se tratando deste tipo de crime, o mais importante é a adoção de medidas de prevenção e a conscientização do risco que corre o sequestrado e seus familiares, amigos, e todos que estão a sua volta.

A forma de proteção mais adequada para evitar um sequestro é utilizar medidas de segurança com empresas especializadas, com equipes bem treinadas e equipamentos eletrônicos que contribuem para a segurança pessoal, de forma a dificultar o acesso ao alvo pretendido.

É importante saber adotar medidas que visem a segurança pessoal, e também a do patrimônio. Para que os riscos sejam minimizados é preciso mudar alguns hábitos na rotina diária, como horários e itinerários.

É interessante, ainda, conhecer os hábitos dos criminosos, ficando atentos a movimentações suspeitas na vizinhança ou mesmo em situações corriqueiras, como trânsito, ida ao trabalho ou escola, principalmente à noite.

Veja Também:
Tecnologias aplicadas na prevenção de sequestros
O modus operandi dos sequestradores
Onda de sequestros relâmpagos requer cuidados
Legislação branda favoreve sequestradores

Comentários encerrados.